A saúde pública na visão de um jogador de poker!

E aí galera, tudo beleza?

Por aqui graças a Deus esta tudo bem mas poderia não ser desta forma. Este final de semana foi meio turbulento com o acidente do meu irmão Adriano Akkari.

Na sexta feira eu estava acordando pronto para ir para o Win Dogs aqui em Alphaville, meu novo projeto voltado para cães que esta em vias de terminar a reforma e já mentalmente focado para depois partir para o BSOP SP jogar o dia 1A do Main Event quando meu telefone tocou, era a minha esposa com aquele tom de voz que a gente já percebe que deu merda.

Ela toda assustada dizia que era para eu ligar urgente para um amigo nosso pois meu irmão havia sofrido acidente na Estrada dos Romeiros, caminho de Alphaville para Cabreúva, e que estava no hospital de Pirapora do Bom Jesus. Que ele estava bem mas que era urgente que eu ligasse. Bom, a merda estava armada certo? Quando a mensagem chega deste jeito é porque a coisa não foi nada leve e a pessoa não esta com o jeito certo para te contar tudo.

Meu parceiro Chico, que é sócio no Win Dogs, passou na minha casa e fomos direto para Pirapora, 25 minutos aqui de casa. No caminho já fui tentando ligar para o Adriano na esperança que ele atendesse e mostrasse que a coisa não havia sido tão séria. Depois de umas quatro tentativas ele finalmente atendeu. A voz era de quem estava mal mas já era melhor do que o que a nossa imaginação cria, é sempre melhor falar com a pessoa direto. Ele dizia que tinha acontecido um milagre de escapar da morte, que estava com muita dor no pescoço e nas costas além de ter muitos cortes nas pernas mas que em geral estava bem.

Chegando no hospital já fui direto para a enfermaria mas é aí que realmente começa a razão principal do meu artigo.

É incrível como o povo brasileiro é mal tratado. Nossos governantes definitivamente não estão nem aí com a situação do povo. O hospital não tinha o pior prédio possível, era até um prédio decente, a construção em si eu digo mas sem nenhuma estrutura, nada, faltavam máquinas para exames, salas cheias, recepção precária, tudo o que dependesse de verba, de dinheiro do governo era precário. O hospital tinha apenas uma coisa fantástica, o ser humano!

Incrível como cada vez mais eu vejo gente ruim nesta vida, eu conheço casos de maldade, de inveja, mas como cada vez mais eu acredito que o ser humano é algo bom por natureza. Mesmo eu vendo tanta coisa ruim, não consigo me desprender da ideia de que todos somos do bem e o nosso ambiente e condições que vivemos alteram esta forma natural que nascemos para em alguns casos transformar o ser humano em algo do mal.

No hospital tive contato com três pessoas, Dr Claudio Albuquerque, e duas enfermeiras, Daniela e Fabiana. Nas condições precárias do local, os três conseguiam manter um ótimo atendimento, com bom humor, com carinho, com dinamismo nas tomadas de decisão.
Eles jogavam poker na verdade, um poker da vida!

Olhavam a situação de equidade de cada decisão que deveria ser tomada naquelas salas lotadas e colocavam na balança correrem riscos, estes riscos sendo comprados eles sabiam que poderiam colher frutos em um futuro bem próximo ou gerar catástrofes.

Se aparece um paciente com o braço quebrado e gritando ele é prioridade, pelo menos de 2/3 da força humana do hospital, mas ele é prioridade até que apareça algum com uma facada, aí transferisse 1/3 do paciente do braço quebrado para o da facada, e entra em campo o outro 1/3 que estava cuidando da burocracia. Eis que quando aparece um com infarto, tudo muda, o do braço quebrado já entra na fase do sem equidade nenhuma, no momento só vale a pena atender 2/3 o infartado e 1/3 o “facada”, e as variáveis continuam a surgir. De repente um tio de 98 anos deitado na maca começa a gemer, a força inteira humana do hospital composta por 3 pessoas corre para a cama dele, tenta conversar, ele não responde onde tem dor, ninguém sabe o que esta acontecendo direito mas dá para ver na cara do médico que a decisão mais EV é deixar de lado o tio de 90 e poucos anos, se é que você me entender, e atender os jovens de infarto e facada. Até aí parece tranquilo, continuam 2/3 e 1/3, até aparecer um menino com overdose quase empacotando, agora não tem saída, é 1/3 1/3 e 1/3.

Nesta hora o meu irmão já faz parte de um conjunto de variáveis que nem entram nas tomadas de decisão, e com razão, ele não esta para morrer, continua deitado em uma prancha que retirou ele da estrada pelo SAMU, depois de ter capotado três vezes com uma Santa Fé e parado na beira do Rio Tiête mas de fato, eu concordo, ele não deve ser atendido agora, talvez nem depois.

Quando tudo parece muito claro, são 5 pacientes -EV, três funcionários sendo apenas um médico para atender, e três pacientes que necessitam de atendimento urgente, naquele momento, sem poder esperar nem 10 segundos, aparecem mais 7 pacientes no mesmo estado, para morrer, e agora?

Mesmo quando não existe mais tomada de decisão de equidade positiva, mesmo em se tratando da vida de pessoas, os três ainda continuam atendendo bem, respondendo perguntas, com os olhos arregalados, focado, sem perder 1 segundo a mais com ninguém mas trabalhando a força total, é incrível! Quando no apíce do meu conhecimento de tomadas de decisão de risco achei que eles não tinham mais saída, de repente eles começam a administrar aquela situação toda com maestria, o que eram 10 para morrer já está virando 8, dois estão a salvo, e bummm de repente aparecem mais 3. Pqp, como estes caras conseguem?

Chega uma hora que o motorista da ambulância tá levando gente pro Raio X, a recepcionista tá respondendo dúvidas técnicas do parente do drogado, o tio quer levantar da cama mas toma um tombo e quem segura é a mãe do da facada e o menino de 19 anos com infecção intestinal esta defecando de 2 em 2 minutos no meio desta bagunça toda e mesmo assim, lá estão os três, cuidando de tudo, medicando quase todos, e não deixando ninguém morrer.

A porradaria rolando e o tal do Dr Claudio, um menino ainda, de uns 25 anos imagino eu, mas um verdadeiro leão, comandando aquele hospital inteiro sozinho naquele momento, vem me explicar que meu irmão tem risco de ter quebrado a vértebra e que por isso não poderia fazer o Raio X em pé, que é como a única máquina daquele hospital consegue fazer, e que ele deveria ser transferido para um outro hospital maior, de Barueri ou Carapicuíba, e que isto poderia demorar um pouco. Quando questionado sobre o procedimento, ele explicou rápido a burocracia, que tinha que fazer carteirinha do SUS, solicitar a transferência pelo sistema, e etc etc etc e que mesmo diante daquele inferno todo ele já havia feito tudo isto, e que agora só me restava esperar.

Esperei do meio dia as 16;30, vendo o pau comer, e os três trabalhadores guerreiros não pararem nem por um minuto de  analisar riscos, calcular equidade e tomar decisões, na pró atividade total, pondo suas habilidades para funcionar a todo vapor, sem amarelar, como um grande jogador de poker tem que fazer.

Depois de quase 5 horas eu realizei que além de esta transferência não sair, o mundo estava me mostrando que eu deveria também tomar uma outra decisão. Pessoas chegavam ali em condições muito piores que as do meu irmão e não tinham nem a maca nem o local para ficar, meu irmão estava mesmo era atrapalhando, ocupando lugar de outras pessoas. Mesmo o caso dele sendo para mim gravíssimo, poderia nunca mais andar, diante daquele pandemônio o caso era simples e o melhor a fazer era tira-lo de lá e dar espaço para mais gente.

Eu tinha dinheiro para uma transferência particular, aquelas pessoas que estavam ali nem mesmo sapato tinham em alguns casos.

Solicitei a transferência e ele veio para um hospital particular de Alphaville onde fui muito bem tratado.

Minha maior indignação é com a política pública, como governantes podem tratar o povo desta maneira? A gente ouve falar disto o tempo todo, nos jornais, na tv, mas nada chega nem perto de quando você realmente enfrenta a realidade na própria pele. Como que alguém que tem a capacidade de gerar benefícios para a sociedade, a pessoa que comanda verbas, orçamentos, não enxerga as necessidades de um lugar como este? E não coloca a saúde e educação em primeiro lugar? Um hospital de uma cidade minúscula como Pirapora do Bom Jesus precisa de mais máquinas, precisa ser compatível pelo menos a 10% da vontade que as pessoas que trabalham por lá tem, porque a grande realidade é que estes caras são heróis, heróis de verdade, iguais aqueles que vemos nos cinemas. Só vendo o trabalho deste Dr Claudio, da Daniela e da Fabiana no dia a dia para você ver o quanto o ser humano pode ser maravilhoso. Eles deveriam ter os maiores salários da folha de pagamento pública.

A saída que sobrou para mim é muito fácil, gastar uma grana que graças a Deus eu tinha condições de pagar, e transferir meu irmão para o hospital mais poderoso da região, entretanto, neste momento que estou escrevendo este texto mais 10, 20 sei lá quantas pessoas estão dando entrada naquele hospital, e os Drs Claudios da vida estão lá, analisando quais são as chances de morte de cada um deles, sem nem mesmo poderem fazer exames dignos, e vendo dentro de uma teoria da administração do caos, escolherem quem vão atender, quem morre e quem vive. O pior de tudo é que deve ser tão estressante para estes caras que se bobear quem morre com 40 anos são eles, aí perderemos pessoas maravilhosas como estas.

Pelo que eu vi, Pirapora do Bom Jesus é uma cidade organizada, limpa, me disseram que o novo prefeito vem corrigindo problemas deixados no futuro de forma até digna, mas pelo amor de Deus prefeito, se tiver alguma forma de esta mensagem chegar até você, invista na saúde, prepare seu pronto socorro, contrate mais pessoas.

Isto porque estamos falando de Pirapora do Bom Jesus, e se quisermos falar do Jardim Angela, Heliopolis, Favela do Morumbi, Capão, Itaim Paulista, e por aí vai, quais devem ser as condições reais destes lugares esquecidos pelo dinheiro público?

Acho que se um dia o Brasil tiver uma chance de mudar de verdade, isto só acontecerá quando nós, que temos um pouco mais de condições, quer dizer, muito mais condições, fizermos alguma coisa e nos indignarmos por aqueles que nem voz possuem. Governantes querem agradar ricos e a classe média, são estas duas camadas que sustentam o país, mas para que possamos desfrutar de alguns benefícios milhões de pessoas são massacradas todos os dias, sendo atendidas feito lixos, os hospitais são apenas um exemplo disto. Somente com a indignação cada vez maior da classe média e alta é que talvez tenhamos 1 out no river.

Quero agradecer do fundo do coração ao Dr Claudio Albuquerque, a enfermeira Daniela e a Fabiana, que foram fantásticos com meu irmão. Quero agradecer também a todos do hospital Albert Einstein de Alphaville, que mesmo tendo todas as condições tecnológicas e estruturais, fizeram um atendimento dos mais carismáticos, dá para sentir ao entrar em um hospital como o Einstein o quanto a equipe é poderosa mas mesmo assim não perdem o carinho e o amor pelos pacientes. A Dra Rose, Milena, Dr André, Dra Tereza, Helio, Silmara, todos que nos atenderam com a melhor qualidade o meu muito obrigado.

Felizmente meu irmão esta bem, vai ficar melhor! Infelizmente ele acabou tendo uma fratura pequena na coluna, mas pelo que a Dr Tereza diagnosticou foi algo bem simples, que somente repouso e o uso de um colete o fará reverter o quadro bem rápido, o que nos deixa feliz demais. Depois de capotar três vezes, transformar um carro daquele tamanho em uma sucata, o pior poderia ter acontecido, mas graças a Deus não aconteceu.

Agora é seguir em frente, hoje tem o 6 max do BSOP, estão todos convidados, vamos nos encontrar lá no Anhembi as 16 horas, tem um torneio bem legal de NL Holdem e depois as 20hs entro em campo no 6 max. Quem não for estará perdendo uma bela história sendo feita no poker nacional, o BSOP está arrebentando! E não esqueça de colocar na agenda que daqui 10 dias tem MasterMinds aqui em São Paulo, se você ainda não vi corre no www.mastermindspoker.com.br e veja tudo que vai rolar gratuito por lá.

Grande abraço galera,

André Akkari

20 comentários sobre “A saúde pública na visão de um jogador de poker!

  1. Baita artigo André, se tivessemos mais gente em todas as áreas que entendessem conceitos como equidade, ev, e aplicassem isso na vida dava pra tudo ser mto mais eficiente, e fico sempre feliz em saber que apesar de tudo ainda tem gente boa nesse mundo, a cada história dessa nossa esperança volta um pouco mais!

  2. Não é a falta de dinheiro que impera, é a falta de vergonha na cara e a falta de gestores profissionais. Este país está um circo do qual os palhaços somos nós. Acho que já deu no saco…O povo tem que se fazer representar através de candidatos que estejam em sintonia com seus anseios, É difícil, mas não é impossível. A mudança, tão sonhada, começa por aí, e não com badernas. Afinal, esta corja de políticos que cuidam dos nossos destinos foram eleitos pelo voto popular, como deve ser em um país democrático. Ou se aprende a votar ou as coisas só poderão piorar, pois ninguém abre mão do poder na marra… Resumindo: nosso povo escolhe mal seus representantes para depois, recorrentemente, ficar reclamando do ‘tipo de vida’ que lhe entregaram… Não é fácil não…

  3. aakkari eu sou vigilante na cidade de guarapuava e meu posto de serviço é em uma urgencia municipal, concordo plenamente com vc quando disse q os profissionais são super-heróis, infelizmente muitas pessoas culpam esses profissionais pela demora no atendimento e muitas vezes ofendem e maltratam esses guerreiros injustamente. aqui em guarapuava o salario base de um técnico de enfermagem é 720 reais, então eles tem q se desdobrar fazendo suas 8 horas diarias e encarar mais 12h de plantão pra conceguir sustentar a família, pra eles conseguir tirar 1500 reais por mês tem q fazer uma media de 10 plantões ou seja eles vivem pra trabalhar. Eles merecem todo respeito do mundo! excelente artigo aakkari parabens por usar sua influencia emproou do bem!

  4. Legal hein! Infelizmente os setores públicos são tratados todos desse jeito, sempre muito aquém do necessário e acaba acontecendo o quê vc teve que fazer, levar seu irmão para um hospital particular… A gente trabalha geralmente 3 a 4 meses do ano só pra pagar impostos e as poucas vezes que vamos usar um serviço público é como se as empresas públicas estivessem falidas mas na verdade estão com um fundo de caixa enorme, mas muito mal administrado e desdenhado…

  5. Bom dia Akkari,

    Graças a Deus, nada de mais grave e logo logo seu irmão estará novinho em folha. Muita saúde e plena recuperação para ele.

    Agora, sobre o post em si. Lembra daquele artigo sobre o americano? Pois é, em algumas coisas ele estava coberto de razão. E não é só na saúde não que a coisa está um caos.

    O governo civil – leia-se PT, PMDB, PSDB, sucatearam a educação no país. Salas de lata, falta de professores, salários miseráveis, grade curricular suprimida para diminuir a capacidade de entendimento das pessoas, progressão continuada. Enfim, o lixo do lixo.

    A segurança pública inexiste. De todos os crimes cometidos no país, apenas 27% são solucionados. Isso mesmo, 27 em cada 100. E destes 27, apenas 5 são condenados!!! E não é por falta de verba, é por desejo expresso dos nossos governantes que ela seja assim. A violência ocupa o lugar que a repressão ocupava na época da ditadura militar. Hoje, o governo não precisa sujar as mãos, ele deixa o pau quebrar aqui fora. Quando alguém está atrapalhando o sistema, basta um “sequestro seguido de morte sem conotações políticas” para resolver. Simples, rápido, fácil e eficiente.

    A saúde você já acabou de retratar e isso porque você estava no primeiro mundo da saúde pública. Você precisava era ver aqueles hospitais em que as pessoas ficam jogadas pelo chão. Quando você cruzar com o Romário por aí, pergunta como o tio dele morreu.

    Transporte urbano é projetado para se colocar o máximo de pessoas num mínimo de espaço para maximizar os lucros. É assim que o empresário brasileiro pensa. Para que colocar 45 pessoas em cada ônibus, se eu posso colocar 100 em um só? O lucro do transporte é tão brutal que muitos empresários do setor são proprietários de iates, mansões, helicóptero, avião, patrimônios que ultrapassam facilmente a casa dos 100 milhões com pouco mais de dez anos de atividade. Não é lindo isso? O preço de 50, 100 ônibus a mais trocados pelo iate novinho em folha que custou 25 milhões.

    Uma coisa é a gente amar o país que vive. Isso é natural, bonito e salutar. A outra, é enxergar, ver de perto o que os nossos governantes estão fazendo com ele. E você viu a ponta do iceberg do que está acontecendo neste país. Pode acreditar, eu conheço política bem mais de perto do que você imagina e saí dela porque eu tive a consciência de que não conseguiria mais me olhar no espelho se continuasse ali.

    Nós temos dinheiro e condições de acabar com todos os problemas do Brasil – moradia, emprego, saúde, segurança, educação. Infelizmente, nossos governantes não querem. De cada 10 reais destinados a algum projeto social, 6 acabam não chegando ao seu destino. Nós temos um dos maiores PIBs da face da Terra e somos o 10º colocado em miséria e desigualdade social. Traduzindo, existem 183 países melhores que o nosso. E o quadro é mais triste ainda porque a tendência é só piorar. Por que? Porque o Brasil é um país de contemplação, um país de tapinha nas costas, um país de aceitação. E é com isso que nossos amados políticos contam – com a complacência do povo, com a inércia do povo, com esse comportamento bovino da população.

    E diante deste quadro todo, eu te pergunto –

    O americano estava tão errado assim?

    Grande abraço

    • Pois é meu amigo, eu represento uma empresa e tenho um gerente de origem européia e que é um cara muito gente boa que já morou no mundo todo e que um dia enquanto falávamos da situação do país me disse: “Me desculpe mas vocês brasileiros são muito conformistas, muito acomodados a isso tudo”, eu só respondi que ele tinha a mais absoluta razão, lá se for preciso eles saem para protestar pelos 0,20 SIM!!!

  6. Primeiramente, melhoras para o seu irmão.
    E infelizmente essa é a triste realidade do Brasil, e como você mesmo disse, enquanto as pessoas que não são AINDA atingidas por esses problemas sociais ficarem com os braços cruzados, nada irá melhorar!
    Mas nota-se que já se tornou intrínseco da cultura do brasileiro muitas vezes cruzar os braços e não fazer sua parte.
    Um exemplo bem simples e que chama a atenção, é uma pessoa que joga lixo em um terreno ao invés de levá-lo para um aterro ou até mesmo joga lixo na rua. Quando enche de lixo o terreno ou a cidade, ele reclama que o governo não limpa, mas se esquece que SE fizesse a parte dele, não haveria aquele lixo para o governo limpar.
    Ainda bem que existem pessoas boas e batalhadoras no mundo e que infelizmente não merece o país que temos atualmente. Mas eu espero que um dia a sociedade brasileira mude (a esperança é a última que morre…) e saiba escolher não só melhor os governantes, como também saiba conduzir de forma mais digna e civilizada a sua própria vida.

    Abraço!

  7. O pior é saber que este é apenas um dos diversos problemas desse país!! Infelizmente, os políticos não conhecem os pequenos hospitais desse país!! Conhecem apenas os Albert Einstein’s, condomínios fechados, etc, etc, etc…

    Enquanto isso o povo se vira como pode!! Para completar seu artigo, finalizaria que o povo está em constante all inn com any two cards…

    GG Brasil…

  8. Sensacional, não por um acaso que você se tornou um ídolo e exemplo para muitos…Parabéns por ser essa pessoa tão comprometida com o bem estar de todos…abs

  9. Boa tarde aakkari…primeiramente é um prazer falar com vc e melhoras para seu irmão …Eu sou médico e trabalho com saúde pública há 10 anos e fiquei muito feliz com seu artigo relatando a realidade do nosso dia a dia …meus parabéns pela sua visão privilegiada… este governo acabou com o restinho de dignidade deste país… os profissionais da rede pública de saúde ,educação e outras tantas áreas fazem verdadeiros milagres todos os dias para tentar ajudar esse povo tão maltratado…VERGONHA …essa é a palavra que resume esse sentimento. ..mais uma vez parabéns e obrigado pelas belas palavras… saúde e paz pra vcs

  10. Gostaria de ser uma mosca e ver você chegar perto do Ronaldo “Fenômeno” , bater nas costas dele, comentar sobre seu irmão e sobre sua indignação e ouvir dele, “Não se faz copa do mundo com hospitais”. Mas isso é querer demais, ainda mais por ele gerenciar sua carreira.
    Melhoras para seu irmão que tem a sorte de ter você pra pagar as contas, porque 99.9% da população tá jogada às traças AAkkari, uma vergonha.

  11. Akkari, o grande problema é que os caras que estão lá em cima não querem saber disso tudo, simplesmente eles querem que o povo se dane, quem sobe lá no poder quer o Poder, e de fato eles acreditam que podem TUDO, eu lembro daquele personagem do Chico Anísio o político Justo Veríssimo que dizia: ” Odeio pobre, quero que pobre se exploda!!!” Eu nem era fã dele mas o Chico era um cara inteligente e sabia do que estava falando, não era só um personagem, é a mais pura verdade, para eles pobre só tem uma utilidade: servi-los. Na verdade não temos que depositar esperanças nesses caras, eles são do mal, seja de direita, esquerda, centro, só mudam as moscas, quem sobe lá é para ver o próprio lado, nunca o do outro. Por quê caras como Oscar Schimidt e Zico entraram na política e saíram rapidinho? Porque aparentemente são gente boa e gente boa atrapalha nesse meio podre.
    Na verdade os governantes sabem dessa situação, mas que se dane o povo, o deles já está dentro do bolso, talvez essa situação toda seja até proposital para manter as pessoas “no lugar delas” é oque eles devem pensar.
    Estamos num mundo onde a maior preocupação é oque está acontecendo no futebol, na novela, no BBB, nos programas que exploram a desgraça alheia, etc…Ou seja pão (será?) e circo para manipular o povo, isso é feito desde a Roma antiga.
    Como disse o Valter Barelli o Ronaldo nunca deveria ter feito o comentário que fez a respeito dos hospitais pois nem Copa do Mundo deveria ter por aqui, mas agora é tarde para ir para porta de estádio protestar, isso deveria ter acontecido antes do país se candidatar a sediar um evento desse
    Na verdade o mundo só vai melhorar quando cada um fizer a sua parte, um mundo melhor não precisa de políticos mas de homens conscientes, porque o Ser Humano consciente sabe oque precisa ser feito pelo outro
    Graças a Deus também tem gente boa de monte por aí, mas é por aí e não lá em cima, se lá tiver alguns só devem caber nos dedos de uma mão…talvez nem encha uma mão
    Melhoras para o seu irmão, vamoooooooo!!!!!

  12. Olá André,

    Sou moradora da cidade de Pirapora do Bom Jesus, e hoje procurando algumas coisas sobre a cidade, por acaso encontrei este artigo, que por sinal real, ótimo!
    Que bom que seu irmão está bem! Realmente a forma que citou está corretíssimo, vemos a precária situação todos os dias, falta medicamentos, falta leito, falta um salário digno para esses verdadeiros heróis que conseguem se virar no 30 com o minimo do minimo de condições de trabalho, falta a cidade olhar para a Saúde, mais que isso, olhar para o paciente, para a família, tratar o ser humano como deve ser tratado e dar valor aquela vida, com mais recursos, com mais incentivo, poderia eu citar inúmeros erros, falhas, histórias e histórias daquilo que acontece diariamente nesse P.A, me entristece saber que nossa cidade com menos de 17 mil habitantes, uma cidade tão pequena, consiga ter uma situação assim, onde poderia e tem condições de ser bem melhor com o minimo de recurso necessário para um bom atendimento.
    Graças à Deus você tem condições de pagar uma internação para seu irmão, triste é ver famílias esperando DIAS para ser transferido para uma cidade maior e em alguns casos acabam nem resistindo.
    Parabéns pelo artigo!

  13. Eu conheço o médico que você se referiu, o Dr. claudio Albuquerque. É meu conterrâneo. Um menino de coração excelente. E, na verdade, ainda tem 24 anos. Mas já é um grande homem.

  14. Coincidentemente acharam o artigo e mandaram. Agradeço pelos elogios a toda nossa equipe, obrigado também pela educação e paciência diante de todas as dificuldades que enfrentamos diariamente na Saúde.
    Um grande abraço e
    Fico feliz por saber que seu irmão esta bem.

    Claudio Albuquerque

  15. Todo registro é muito importante… Aakkri, obrigada por tê-lo feito, pois, assim conseguimos perceber o reflexo do trabalho no nosso filho na grande São Paulo. Cláudio e Fábia

  16. Oi André! Fico feliz em saber que seu irmão está bem, agradeço pelos elogios a equipe.
    Um grande abraço!
    Daniela Pallazzoli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s